Não adianta, mesmo estando felizes e satisfeitos com o nosso dia a dia, quando passamos muito tempo longe sentimos saudade de quem deixamos para trás. Por isso, confira abaixo as nossas dicas e o que alguns guerreiros da estrada fazem para enfrentar essa situação. Afinal, a vida do caminhoneiro é ter que lidar com sentimentos assim constantemente, não é mesmo?

Hoje em dia, com as novas tecnologias, fica um pouco mais fácil driblar essa dificuldade. As redes sociais ajudam muito a quem precisa se ausentar. O estradeiro Rogério Vargas Machado costuma ficar alguns dias fora de casa, e comentou com a gente: “A saudade a gente alivia com telefone, WhatsApp, Facebook, …” São inúmeras as opções. Com a possibilidade de ver e ouvir os amigos e familiares através do telefone celular ou do computador, a sensação muitas vezes é de não estar tão longe.

Para ajudar a passar pelos períodos de distância, muita gente decora o caminhão e tenta deixar o mais parecido com o seu lar. São fotos, lembrancinhas, itens de casa; que fazem com que a pessoa se sinta ainda inserida naquele contexto. Além disso, ter um caminhão confortável ajuda a passar melhor os momentos fora de casa. O Jal Souxa, Volveiro de coração, brincou: “Dentro de um Volvo ninguém sente saudade de casa não”. E a Volveira Clebiane Nunes completou: “A saudade não tem braço, mas aperta… Para driblar a saudade eu carrego a fé, pois o sonho de dirigir um Volvo já foi realizado e com ele tenho segurança e conforto.”

Para alguns, como o Sérgio Nascimento, a forma de lidar com a saudade é focando no trabalho. Organizar os fretes para não passar tanto tempo desnecessário longe, fazer as entregas da melhor forma possível, não se envolver em brigas ou acidentes, para chegar mais cedo em casa. O Humberto Pedrosa concordou: “45 dias já longe de casa, mas tento me manter mentalmente focado no controle do meu bruto e na esperança de voltar bem para a minha família”.
Para diminuir a saudade, é importante aproveitar bem os momentos juntos. Quando estiver em casa, o ideal é focar no bem-estar de todos, não gerar desavenças e fazer destes momentos os melhores possíveis. Assistir filmes juntos, prestar atenção quando alguém fala, ajudar os filhos nas tarefas e tentar se fazer presente é a melhor forma para não sofrer tanto quando se está longe!

Muito importante também é não ter a impressão que tudo isto é em vão. Ter a certeza de que o seu trabalho está fazendo a diferença ajuda a compensar o fato de não estar sempre presente. O Vagner Depieri passou 6 meses na construção do Parque Eólico de Rio do Fogo no Rio Grande do Norte, voltou para casa por 10 dias e depois se ausentou novamente por mais 3 meses até o final da 1° fase da obra e conclui: “A Saudade é demais. Mas o senso de dever cumprido é igualmente grande”.