“O motorista de caminhão leva o progresso para todos os cantos do Brasil”. A frase, que bem poderia estar no para-choque de um bruto, é verdade quando vemos a quantidade e variedade de cargas que são transportadas todos os dias nas estradas. Algumas delas são mais tranquilas, e outras requerem cuidados especiais. É o caso do transporte de substâncias químicas. São mais de 3,5 mil tipos delas, de gasolina a ácido sulfúrico, que circulam pelo trecho todos os dias a bordo de um cargueiro.

Fazer o transporte de cargas químicas exige do estradeiro muita perícia e cuidado. Boa parte destas substâncias podem até causar danos à saúde do motorista, provocar acidentes e desastres ambientais. A lei determina que os estradeiros que trabalham com este tipo de material devem ter, além da habilitação, o registro de um treinamento especial para levar cargas perigosas, uma ficha de emergência com informações sobre o produto transportado e um kit com equipamentos de proteção individual (EPI) para lidar com vazamentos.

Em caso de acidente, o motorista deve seguir alguns procedimentos:

– Afastar-se da área do acidente e entrar em contato com a transportadora o quanto antes.

– Se o vazamento do líquido na estrada for grande, o vapor invisível pode provocar intoxicação ou causar uma explosão. O estradeiro, se estiver a salvo, deve utilizar os equipamentos de proteção e isolar a área com cones, fitas e placas indicativas de perigo.

– Ferramentas comuns, como alicates e martelos, são evitados porque podem gerar faíscas durante o uso. Ferramentas feitas de cobre ou de ligas especiais são excelentes.

– Em um acidente noturno, cuidado com as lanternas. Existem modelos à prova de explosão no mercado.

– Deixe o trabalho de limpeza e descontaminação com a equipe da transportadora.