A RBS TV de Santa Catarina realizou uma matéria sobre uma prática ilegal entre os estradeiros: adulteração da programação do caminhão para evitar gastos com ARLA 32, produto que reduz a emissão de poluentes resultados da queima de combustível. Confira a matéria aqui.

O ARLA 32 é um reagente que reduz quimicamente as emissões de óxidos de nitrogênio presentes nos gases de escape dos veículos a diesel. Sua utilização é obrigatória por lei, por diminuir os poluentes lançados no ar. Os brutos, em geral, possuem um sistema que identifica quando o tanque de ARLA 32 está vazio. Quando isso acontece, a potência do motor é reduzida até que haja o reabastecimento.

Além da poluição, modificar o caminhão traz prejuízos para você, como a perda da garantia do seu bruto. Sem falar que modificações no sistema podem danificar o funcionamento do veículo. Se isso não for suficiente, o uso de aparelhos que burlam o ARLA 32 é considerado crime ambiental, resultando em multa de até R$ 50 milhões para o dono do caminhão e para quem faz as instalações.

Para o seu bem, o bem do meio ambiente e o bem do seu bruto, evite práticas ilegais e colabore para o bom uso dos recursos do seu veículo.