A Volvo está apresentando os seus novos caminhões VM na Fenatran. Toda a linha foi atualizada para oferecer o que há de melhor neste segmento. Além dos novos  modelos 4×2, 6×2 e 6×4, agora a Volvo apresenta os caminhões 8×2 e 8×4, ampliando ainda mais sua oferta ao transportador brasileiro.

Os caminhões tiveram grandes mudanças externas. Eles têm um visual completamente diferente da geração anterior. Agora, a cabine do VM tem sua aparência muito próxima à dos novos caminhões FH lançados recentemente na Europa e que já estão sendo vendidos em vários mercados europeus.

Além disso, proporcionam um aumento de 22% na capacidade de carga líquida, saltando de um PBP (Peso Bruto Total) de 23 toneladas para 29 toneladas. Isso é praticamente um ganho de uma a cada quatro viagens

Todo o módulo do para-choque que envolve os faróis foi renovado com uma estrutura em termoplástico, uma grade e uma tampa para engates de reboque. Ao módulo do para-choque integra-se a nova grade, dando à cabine um aspecto ainda mais moderno e, ao mesmo tempo, de maior robustez.

O caminhão também ganhou um novo painel frontal superior, que ficou maior e toma boa parte da porção superior da frente do veículo, dando ao conjunto uma impressão de continuidade. É dentro do novo painel superior que agora está afixada a logomarca da Volvo, num novo padrão de identidade do caminhão.

Internamente, a Volvo decidiu manter a atual ergonomia do caminhão, já amplamente aprovada pelos motoristas e que reconhecem no VM o melhor ambiente de trabalho entre os veículos de carga nesta categoria.

Edições anteriores

Os Volvo VM fazem parte da quarta geração de uma linha de caminhões que transformou o mercado brasileiro de veículos comerciais. Quando foi lançado no final de 2003, o VM trouxe inovações que eram desejadas e que repercutiram de imediato.

Os primeiros VM que chegaram ao mercado eram veículos semipesados, com chassi rígido e opções de eixos 4×2 e 6×2. O VM era o único caminhão brasileiro em sua classe a ter cabine leito, coluna de direção ajustável, um sistema de basculamento hidráulico da cabine, dois tanques opcionais de combustível de maior capacidade, além de opcionais importantes para a operação de transporte, como imobilizador e climatizador.

Em 2005, a Volvo voltou a inovar e apresentou ao mercado brasileiro e latino-americano a segunda geração da linha VM. E duas grandes novidades foram introduzidas: o cavalo mecânico VM, na configuração de eixos 4×2, com motorização eletrônica de 310 cv, e os VM rígidos rodoviários de 210cv e de 260cv, além dos rígidos 6×4 de 260cv e 310 cv, toda a linha com motores Euro 3.

 

O cavalo mecânico VM 4×2 era um caminhão voltado para o segmento de transporte que necessitava de veículos para carretas com até três eixos. Com o family look dos veículos da marca, a segunda geração também foi uma evolução: tinha um motor de 6 cilindros e um eixo para 43 toneladas com bloqueio de diferencial. O trem de força tinha uma caixa de câmbio Volvo, já consagrada no mercado brasileiro e em outros países do continente – a VT2214B, a mesma do FH.

 

Em 2011, o mercado recebia a terceira geração VM, já com motores Euro 5, com as opções de veículos rígidos de 220cv, 270cv e 330 cv, e o cavalo mecânico também de 330cv. No mesmo lançamento a Volvo apresentava os VM vocacionais rígidos com propulsores de 270cv e de 330cv. A nova geração chegava com a tecnologia SCR para atendimento da legislação de emissões Euro 5/Proconve P7, oferecendo ainda opções de caixa de câmbio e eixos traseiros para atender a todas as necessidades dos transportadores.